quarta-feira, 2 de agosto de 2017

Devagar, quase parando, assim segue o bonde de Santa Teresa

02/08/2017 - O Globo

Com manutenção precária, só dois veículos operam ao longo do dia

 Não dá para perder o bonde. Intervalo de viagens chega a uma hora: na segunda-feira, serviço foi suspenso após único bonde enguiçar Foto: Guilherme Pinto / Guilherme Pinto
Não dá para perder o bonde. Intervalo de viagens chega a uma hora: na segunda-feira, serviço foi suspenso após único bonde enguiçar Foto: Guilherme Pinto / Guilherme Pinto

POR RENAN RODRIGUES 

RIO - “Táxi ou mototáxi?”. A pergunta, feita em alto e bom som por um mototaxista, rompe o silêncio na chegada ao Largo dos Guimarães, no ponto de bonde. Por causa da demora para o único bondinho em operação passar — o outro está encostado à espera de manutenção, que não acontece por falta de dinheiro, segundo funcionários no local —, o vaivém de pessoas oferecendo outras alternativas de transporte virou uma cena comum nas ladeiras históricas de Santa Teresa. Moradores do bairro criticam o aumento do intervalo das viagens, que pode chegar a uma hora.

‘Além da praticidade, o bonde é a alma de Santa Teresa. Trabalho no Centro e, quando saio mais tarde do trabalho, não consigo voltar de bondinho’- CRISTINA PAIM, Moradora de Santa Teresa

Apesar de garantir que o intervalo é menor, de 15 a 30 minutos o secretário estadual de Transporte, Rodrigo Vieira, reconhece que a pasta não tem recursos para a expansão e compra de novos bondes, devido à crise do estado. Ele negou que apenas um bonde operasse na segunda-feira. Vieira assegurou que há cinco veículos: dois se revezam na linha, um fica parado na Estação Carioca para alguma emergência e dois estão sempre em manutenção preventiva. A reportagem esteve na oficina, no Largo dos Guimarães, onde um funcionário afirmou que havia apenas um bonde passando por reparos.

No dia em que a reportagem do GLOBO acompanhou a operação, o trajeto foi interrompido, na parte da manhã, por 50 minutos porque um veículo estava enguiçado e não havia outro para substituí-lo. A secretaria, depois, confirmou a informação. Atualmente, de acordo com o secretário, o tíquete de R$ 20 — valor que só não é cobrado de moradores do bairro credenciados, estudantes da rede pública uniformizados e idosos — é a única fonte para manter o sistema operando. A arrecadação, segundo ele, gira em torno de R$ 130 mil por mês e cobre despesas com conta de luz, troca de peças e manutenção.

— No momento em que o estado tem prioridades, o fato de o bonde funcionar já é uma superação da equipe — defende Rodrigo Vieira.

BILHETERIA DO CURVELO ESTÁ FECHADA

Após o acidente de 2011, que tirou o bondinho de circulação, o veículo voltou a funcionar com intervalo de 20 minutos em 2015, durante a fase de teste. Na prática, a espera pelo bonde, atualmente, é de cerca de 40 minutos de manhã, entre 8h e 12h, e de até uma hora à tarde, segundo um funcionário da Estação Carioca. O transporte está disponível de segunda a sexta, das 8h às 17h45m. Aos sábados, o horário de funcionamento é das 10h às 18h. Segundo a secretaria, o sistema circulará excepcionalmente no próximo domingo, das 11h às 17h, porque a pasta realiza testes para, no futuro, oferecer o serviço todos os dias da semana. Vieira explicou também por que apenas cinco bondes foram entregues, apesar de o governo do estado ter licitado 15 veículos para pôr o sistema em operação. Ele negou que o problema tivesse a ver com dívidas do estado com a fornecedora. O secretário garantiu que o número de bondes está relacionado ao tamanho da rede:

— A gente faz o cálculo da necessidade de bondes pelo tamanho da via. Hoje, o intervalo é de 15 minutos a 30 minutos. A nossa ocupação média, de manhã, é de 20% a 25% dos assentos. À tarde, chega a 80%. A oferta de lugares e a demanda são compatíveis com o que praticamos. É um equilíbrio entre despesas e receitas.

Outro sinal de que os bondes circulam de forma precária é a bilheteria da Estação Largo do Curvelo, que está fechada. Rodrigo Vieira diz que, no passado, havia cobrança no local que, hoje, funciona apenas como uma parada. Segundo ele, na reabertura do sistema, foi decidido que a bilheteria no local não seria reaberta para “otimização de recursos”. Moradores de Santa Teresa reclamam. E mototaxistas se aproveitam do “apagão” dos bondes.

— Todos os mototáxis que trabalham em pontos próximos, como Centro e Glória, sobem as ladeiras — disse um deles, que cobra de R$ 4 e R$ 7, dependendo do trajeto.

A psicóloga Cristina Paim, de 35 anos, lamenta:

— Além da praticidade, o bonde é a alma de Santa Teresa. Trabalho no Centro e, quando saio mais tarde do trabalho, não consigo voltar de bondinho. O último sai da Carioca às 17h. Não é um horário que atenda aos moradores.


terça-feira, 11 de julho de 2017

VLT passa a ter intervalos mais curtos nos horários de pico

11/07/2017 - O Globo

VLT passa pelo prédio do antigo Moinho Fluminense, próximo à estação da Praça da Harmonia Foto: Márcia Foletto em 04/06/2017 / Agência O Globo
VLT passa pelo prédio do antigo Moinho Fluminense, próximo à estação da Praça da Harmonia Foto: Márcia Foletto em 04/06/2017 / Agência O Globo 

RIO - O Veículo Leve sobre Trilhos (VLT) tem desde esta terça-feira intervalos mais curtos. Na linha 1 (Rodoviária-Santos Dumont), o tempo de espera cai quase à metade entre 8h e 18h, que é o período de maior procura. A média, que era de 13 minutos, passa para 7 minutos ao longo de todo o trecho. Com o intervalo unificado, os VLTs que saem do Santos Dumont ao longo do dia vão até a Rodoviária, sem a necessidade da linha auxiliar que circulava somente até a Parada dos Navios.

Segundo a VLT Carioca, a redução ocorre pouco mais de um mês após o início de operação das paradas Providência e Harmonia, na Gamboa. A concessionária diz que circulação do VLT em via única nos dois sentidos e a rápida adaptação da população às mudanças de trajeto possibilitaram a redução do tempo de viagem e o avanço da operação.

Já na linha 2 (Saara-Praça Quinze), a queda maior na espera é nos horários de pico (das 7h às 9h30 e das 17h às 19h30), quando o intervalo entre as composições diminui de 13 para 8 minutos. Para a concessionária, melhora a integração com a linha 1 e a conexão com as barcas.

As alterações representam uma redução de 40% no tempo de intervalo entre Rodoviária e Parada dos Navios. Aumenta também a oferta diária de viagens. São cerca de 80 viagens a mais por dia integrando Centro e Região Portuária, além de outras 40 na linha 2, cortando o Centro Histórico.


terça-feira, 6 de junho de 2017

Tribunal de Justiça mantém circulação do VLT no Centro do Rio

06/06/2017 - O Globo

Suspensão do serviço havia sido pedida pelo Ministério Público

A estação Praça da Harmonia, do VLT Foto: Márcia Foletto - 04/06/2017 / Agência O Globo
A estação Praça da Harmonia, do VLT - Márcia Foletto - 04/06/2017 / Agência O Globo
   
RIO - O Tribunal de Justiça informou nesta terça-feira que decidiu manter o Veículo Leve sobre Trilhos (VLT) em operação no Centro do Rio. A 8ª Câmara Cível negou pedido de liminar do Ministério Público para suspender imediatamente o tráfego do bondinho. A promotoria questionam, na ação civil pública, os “impactos ambientais e urbanísticos e urbanísticos decorrentes da implantação e operação do serviço de transporte coletivo, bem como os riscos à vida e integridade física dos usuários e passageiros devido à sinalização deficiente”.

No entanto, os desembargadores concluíram que a operação do novo sistema foi iniciada gradativamente, exatamente para que a interação com passageiros e pedestres seja mais segura, com a ajuda de agentes de trânsito e batedores.

De acordo com os magistrados, “a manutenção de seu funcionamento é de inegável interesse público, tendo em vista a utilização cada vez mais crescente desse meio alternativo de transporte. E a suspensão do funcionamento causará diversos transtornos para os passageiros”.

Na última quinta-feira, uma audiência especial foi realizada para que o Município, a CET-Rio, a Concessionária VLT Carioca S/A e a Companhia de Desenvolvimento Urbano da Região do Porto do Rio apresentassem os documentos requeridos pelo Ministério Público sobre sinalização e as fases de implantação do transporte. Na audiência, foi esclarecido que a CET-Rio já monitora a sinalização semafórica instalada pela Concessionária do VLT Carioca.

Na decisão, a juíza Cristiana Faria de Cordeiro destaca que há riscos em qualquer lugar em que haja tráfego de veículos e pedestres, mas que podem ser reduzidos com a instalação de sinalização adequada. Ela também ressaltou que a implementação do VLT exige uma mudança de comportamento por parte do cidadão carioca.

Leia mais: https://oglobo.globo.com/rio/tribunal-de-justica-mantem-circulacao-do-vlt-no-centro-do-rio-21441260#ixzz4jEycUdUm 
stest 

quinta-feira, 13 de abril de 2017

VLT teve operação paralisada por tiroteios seis vezes desde outubro

23/03/2017 - O Globo

A paralisação da linha 1 do VLT por cerca de duas horas na manhã desta quinta-feira, durante um tiroteio no Morro da Providência, foi a sexta interrupção do transporte desde outubro provocada por uma troca de tiros. De acordo com o consórcio responsável pela operação, em média o VLT parou uma vez por mês por casos de violência. Nesta quinta, a circulação foi suspensa às 9h31m, e só foi totalmente restabelecida às 11h27m.

O tiroteio desta manhã foi provocado por uma operação do Choque no Morro da Providência com objetivo de reprimir o roubo de carros e motos. A Polícia Militar também realizou uma ação com o mesmo objetivo nas ruas Sacadura Cabral, Camerino e na Avenida Venezuela, no Centro. Uma ambulante que trabalha na Central do Brasil Carolina Alves, de 25 anos, disse que pelo menos três camelôs ficaram feridos por tiros vindos da Providência. Os casos, no entanto, ainda não foram confirmados oficialmente.

- Eu vi um ambulante que tem problema numa perna ser atingido na outra. Então, saí correndo e vim para perto do Comando Militar do Leste. Os outros dois são pessoas que contaram - relatou.

Cena incomum, as estações da linha 1 do VLT ficaram cheias de usuários por causa da paralisação de quase duas horas. A esteticista Maria Helena Marins, de 32 anos, disse ter ficado assustada por ter ouvido tiros quando seguia em direção à estação do VLT próximo ao Armazém 3 do Cais do Porto.

- Desde que a região começou a ser revitalizada pensei que situações como essa não fossem acontecer mais. Mas não é a primeira vez. É muito triste ver que perto de uma das principais entradas para a cidade (o Cais do Porto) os turistas são recebidos dessa forma. E parece que ninguém pode fazer nada - lamentou.

O estudante Brendo Britto, de 18 anos, esperou por cerca de uma hora e 40 minutos na estação Navios do VLT antes de seguir em direção à Rodoviária Novo Rio. Ele lamentou que a revitalização da região do Boulevard Olímpico e arredores não tenha sido acompanhada pelo aumento da segurança:

- É um velho incômodo. Iríamos fazer manutenção elétrica no prédio do Inca, mas atrasou tudo por causa dessa violência que não acaba - disse.

Já o engenheiro Édson Fonseca Gouveia, de 49 anos, lamentou a insegurança numa região que se transformou em atração turística. Ele trabalha na instalação de elevadores num prédio novo que está sendo construído na Rua Barão de Teffé, próximo à Avenida Rodrigues Alves.

VLT tem 5 mil pessoas multadas por não pagarem passagem

27/03/2017 - Extra

A advogada mineira Pâmella Alqualo decidiu, na semana passada, ir com o marido à Zona Portuária para visitar o AquaRio de VLT. Mas o que seria um passeio divertido virou dor de cabeça. Ao não conseguir usar um RioCard, ela pediu ajuda a uma fiscal, que, em vez de orientá-la, chamou um guarda municipal. Pâmella acabou se tornando uma das 5.085 pessoas multadas desde setembro do ano passado por viajar sem pagar passagem.

— Como tinha acabado de usar o cartão para pagar duas passagens no metrô, imaginei que poderia fazer o mesmo no VLT. Abordei a fiscal para pedir uma informação e fui tratada como desonesta, como se estivesse me recusando a pagar R$ 3,80. Achei um absurdo — reclamou Pâmella.

A verificação do pagamento da passagem é feita por fiscais da concessionária do VLT, que atuam ao lado de guardas municipais, os responsáveis por aplicar as sanções. Dados da prefeitura mostram que, desde o início da fiscalização, foram aplicadas em média 25 multas por dia. Das 1.475 guias emitidas, no valor de R$ 170 cada, 935 foram pagas, o que gerou um montante de R$ 158.950 para o Tesouro Municipal. Do total de autuados, 660 recorreram, mas, até agora, nenhum recurso foi deferido. Ao ser multado, é responsabilidade do passageiro emitir a guia de pagamento pela internet.

Um dos recursos foi apresentado pela designer baiana Ana Paula Esteves, que veio passar o carnaval no Rio. Ela viveu situação semelhante à de Pâmella. Ao não conseguir pagar duas passagens com um único cartão e pedir ajuda, foi multada.

— A guarda já veio pedindo meu CPF, pensei que fosse apenas para fazer um cadastro e me dar informação. Mas ela me entregou uma multa de R$ 170 e ignorou quando pedi que deixasse a gente descer para comprar outro cartão. Fiz o recurso porque achei um abuso, uma forma de usurpar a gente.

Já o técnico em eletrônica gaúcho Juliano Mattos fez tudo certo: comprou dois cartões, para ele e a mulher, e colocou crédito para ir e voltar do Centro ao AquaRio. Na volta, ao fazer uma baldeação obrigatória na Parada dos Navios, foi abordado por um fiscal e multado por um guarda municipal.

— Não sei se, ao passar o cartão na baldeação, fomos cobrados indevidamente. O fato é que eu tinha o comprovante da compra dos nossos bilhetes de ida e volta, com o horário que os adquirimos, e mostrei ao guarda. Ele sabia que não tínhamos feito nada de errado — criticou Juliano.

O diretor de operações do VLT, Paulo Ferreira, alegou que, em pesquisa do Ibope com 600 usuários, o VLT obteve 88% de satisfação. Segundo ele, o que pode ser julgado como uma atitude radical é, na verdade, uma regra que deve ser cumprida.

— Quando você transporta 35 mil passageiros por dia não tem como identificar quem está bem-intencionado e quem não está.

sexta-feira, 10 de março de 2017

MP quer impedir cobrança para aquisição do cartão do VLT

09/03/2017 - Veja Rio

Segundo o promotor do caso a prática viola o Código de Defesa do Consumidor

O Ministério Público considerou abusiva a cobrança de R$3 para a aquisição do cartão de passagem do VLT. A 5ª Promotoria de Justiça de Tutela Coletiva do Consumidor da Capital moveu, nesta quinta-feira (9) uma Ação Civil Pública contra a prática. Quem não tem algum cartão da RioÔnibus precisa desembolsar o valor, além dos R$3,80 da passagem, para adquirir o cartão e não há outra forma de pagar a passagem do transporte.

Segundo o promotor do caso, Pedro Rubim, a prática viola o Código de Defesa do Consumidor por ser um custo excessivo e um ônus que não pode ser imposto à população. O MP pede que a prefeitura suspenda o  §2° do artigo 1°, do Decreto Municipal n° 38.948, de 16 de julho de 2014, que possibilita a cobrança do cartão pré-pago e a suspensão da cobrança sob pena de multa diária de R$20 mil à VLT Carioca, responsável pela operação, e à empresa RioCard, responsável pelas compras e recargas dos cartões.

Em nota, a RioCard disse o valor de R$ 3 seria um depósito garantia que é  devolvido ao usuário quando o cartão é entregue em algum dos pontos de coleta. Segundo a empresa, o objetivo é estimular a devolução dos cartões para que possam ser reutilizados de forma sustentável. Já a VLT Carioca disse que o valor do cartão não é definido pela concessionária e não afeta a operação, além da cobrança não acontecer exclusivamente no VLT.

sexta-feira, 24 de fevereiro de 2017

Fabricante de bondes do VLT suspende contrato com concessionária

Empresa diz que espera pagamento de dívida que chegaria a R$ 100 milhões
   
POR LUIZ ERNESTO MAGALHÃES 

24/02/2017 - O Globo

Bonde do VLT: início da operação comercial na Linha 2 do sistema corre o risco de atrasar ainda mais - Pablo Jacob / Pablo Jacob

RIO - Às vésperas do carnaval, um sinal amarelo acendeu para o VLT, o bonde que corta o centro da cidade. A multinacional francesa Alstom, responsável pela fabricação e assistência técnica das 20 composições em operação, decidiu, nesta quinta-feira, suspender por tempo indeterminado seu contrato com a concessionária VLT Carioca. A empresa alega que há oito meses a concessionária não paga pelos serviços contratados. Segundo a Alstom, a dívida chega a cerca de R$ 100 milhões.

Além de fornecer os trens, a Alstom é responsável pelos serviços de manutenção e pela eletrificação dos trilhos, e também cuida dos sistemas de sinalização e telecomunicações. Questionado pelo GLOBO se a decisão da fornecedora poderia levar a uma eventual interrupção na operação do VLT, a concessionária não deu uma resposta. Em nota, o VLT Carioca informou apenas que “para garantir a qualidade e eficiência da operação, poderá buscar outros fornecedores no mercado”. No mesmo comunicado, a concessionária afirma que renegocia pagamentos de dívidas, mas não divulgou valores.

NOTIFICAÇÃO ENTREGUE

A Alstom destacou que que já notificou o VLT Carioca sobre sua decisão. A concessionária, no entanto, não confirmou essa informação. O VLT Carioca respondeu que a Alstom não poderia tomar a iniciativa de romper o contrato com negociações para reescalonar as dívidas ainda em andamento.

Com a suspensão do contrato, a Alston também decidiu interromper a fabricação, em Taubaté (SP), das 12 últimas composições que ainda não foram entregues ao VLT Carioca. Esse último lote de veículos é essencial para o início da operação com cobrança de passagens na Linha 2, que vai da Rodoviária à Praça Quinze. Desde o início do mês, a Linha 2 opera em esquema de testes, sem cobrança, e apenas entre a Praça da República e a Praça Quinze. A cobrança pelas viagens estava prevista para começar no último dia 13.

Também procurada para comentar o assunto, a Companhia de Desenvolvimento Urbano do Porto (Cdurp) informou que a prefeitura monitora a operação do VLT Carioca. A Cdurp disse ainda que exige o cumprimento de todas as regras de concessão estabelecidas em contrato.

Leia mais sobre esse assunto em http://oglobo.globo.com/rio/fabricante-de-bondes-do-vlt-suspende-contrato-com-concessionaria-20974268#ixzz4ZcjMJWPt 
© 1996 - 2017. Todos direitos reservados a Infoglobo Comunicação e Participações S.A. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.